Sobre Nós

A História dos doces Regionais de Caldas da Rainha

Seja bem vindo

A empresa nasce por iniciativa de Eduardo Loureiro. O jovem empresário cedo aprendeu a arte de produzir as famosas Cavacas das Caldas com os seu sogros e criou a sua própria empresa de Confeitaria muito especializada nos doces regionais de Caldas da Rainha – Cavacas das Caldas, Beijinhos das Caldas, Suspiros e trouxas de ovos.

Tudo começou com uma pequena produção destas especialidades para venda exclusiva na afamada Praça da Fruta da cidade e sua Pastelaria Java, no centro histórico, na época em que o volume de turismo era tal que chegava a vender 200kg de cavacas por fim de semana.

Com o passar dos anos foi aumentando a sua produção e começou a vender a muitas das Pastelarias da cidade, tendo mais tarde a fazer revenda em vários pontos do País.

Em 2012 surgiu a oportunidade de compra de uma empresa vizinha, a Confeitaria Monte Verde, Lda. (em Relvas, Santa Catarina), que produzia Wafers tradicionais, a bolacha de baunilha de antigamente, aumentando, assim, a nossa gama de produtos.

Neste mesmo ano, lançámo-nos em busca de novos mercados. Inicialmente os mercados da saudade, sobejamente conhecidos, como França, Inglaterra, Alemanha, Suiça e começámos também a trabalhar com a grande distribuição – centrais de compras. 2013 foi o ano da ampliação das instalações de Caldas da Rainha e o inicio do sonho da modernização.

Em 2016 adquirimos o primeiro forno contínuo para produção das Wafers mais finas. Surgiram novos clientes à procura deste produto. Neste mesmo ano avançamos com a compra de um terreno na zona Industrial Casal de Santa Cecília, em Salir de Matos, Caldas da Rainha e avançamos com a construção das novas instalações que contamos estar concluídas no final de 2017, com o objectivo de unir esforços, rentabilizar processos, modernizar e melhorar processos produtivos, aumentando a nossa produção para melhor servir os nossos clientes.

A verdadeira Receita das Cavacas das Caldas

Ingredientes:

. Uma rainha piedosa;

. Uma nascente de águas quentes e milagrosas;

. Uma multidão de gente à procura de alívio;

. Campos férteis de cultivo que produzem os melhores trigos;

. Um povo exigente no paladar que gosta das suas iguarias;

. Duas senhoras novecentistas, curiosas e prendadas na arte da doçaria;

. Umas pitadas de malandrices q.b.

Colocam-se todos os ingredientes a gosto dentro de um hospital termal, junto a um parque rodeado por frondosas árvores. Amassa-se tudo com muito amor e carinho e deixa-se levedar com o lento passar do tempo durante 6 séculos.
Após várias visitas da família real deixam-se arrefecer as cavacas em cestos de vime imaculadamente cobertos com panos brancos.
Comem-se com guloseima, aconselhando-se moderação.

Amigo Carlos Ribeiro
“Pasteleiro de caneta ao punho”